Hamas adverte sobre possíveis ataques em Rafah

Segundo dados das Nações Unidas, estima-se que mais de 1,3 milhões de pessoas estejam em Rafah, a maioria delas deslocadas de outras áreas da Faixa de Gaza.

 

Hamas adverte sobre possíveis ataques em Rafah
Hamas adverte sobre possíveis ataques em Rafah

 

No último sábado, o grupo Hamas emitiu um alerta contra possíveis ataques direcionados à cidade de Rafah, situada no sul da Faixa de Gaza. O comunicado solicitou a ONU e outras organizações intergovernamentais a intervir e impedir as operações que, segundo o Hamas, Israel estaria conduzindo com o propósito de deslocar a população palestina.

Em sua declaração, o Hamas destacou o perigo de a ocupação israelense realizar massacres generalizados e terríveis na cidade de Rafah. O grupo ressaltou que Rafah abriga mais de um milhão de palestinos deslocados, enfrentando condições precárias, conforme observado pela organização.

O Primeiro-Ministro israelense, Benjamin Netanyahu, deu instruções para que os militares planejem a “retirada da população” de Rafah.

Além disso, o Hamas fez um apelo à Liga dos Estados Árabes, à Organização de Cooperação Islâmica e ao Conselho de Segurança da ONU, solicitando que tomem medidas urgentes e sérias para evitar ataques em Rafah.

O grupo também acusou o governo dos Estados Unidos de continuar a fornecer armas a Israel, mesmo diante das preocupações levantadas por autoridades americanas sobre uma possível expansão das operações militares israelenses na cidade mais ao sul de Gaza.

Um porta-voz do Departamento de Estado dos Estados Unidos, na quinta-feira (8), afirmou que os EUA não apoiariam uma operação militar israelense em Rafah “sem um planejamento sério”.

Um representante das Forças de Defesa de Israel (IDF) informou à CNN nesta terça-feira (13) que os militares israelenses ainda não compartilharam com o governo o plano para a evacuação de Rafah.

O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, solicitou na sexta-feira passada que as IDF elaborassem um plano para a retirada da população de Rafah antes de um possível ataque terrestre à cidade localizada no sul de Gaza.

O tenente-coronel Peter Lerner, porta-voz das IDF, afirmou à CNN na terça-feira que o governo instruiu as forças armadas a desenvolver um plano para alcançar os objetivos de guerra em Rafah. No entanto, ressaltou que o referido plano ainda não foi apresentado ao governo.

Rafah abriga uma parte significativa da população de Gaza, com muitos residentes deslocados de outras áreas da região e vivendo em condições precárias, como em uma espécie de “cidade de tendas”.

Apesar dos desafios, Lerner expressou confiança na capacidade das IDF de distinguir entre alvos militares e civis, embora reconheça que isso não será fácil.

A comunidade internacional tem expressado preocupações sobre os possíveis impactos civis de uma invasão terrestre em Rafah. No entanto, Lerner argumentou que uma alternativa seria ceder ao Hamas, colocando em risco os civis reféns.

Ele enfatizou a importância de trazer os reféns para casa e destacou que Israel tem experiência prévia na evacuação de civis em situações semelhantes.

Além das informações já fornecidas, é importante destacar que o conflito entre Israel e o grupo islâmico Hamas tem raízes profundas e está enraizado em décadas de disputas territoriais, políticas e religiosas na região do Oriente Médio.

A Faixa de Gaza, onde está localizada a cidade de Rafah, é um dos principais pontos de tensão. Desde que Israel retirou seus colonos e soldados de Gaza em 2005, o Hamas assumiu o controle da região e liderou uma série de confrontos com Israel, incluindo lançamentos de foguetes contra cidades israelenses e ataques contra as fronteiras.

A tensão entre Hamas e Israel aumentou ainda mais nos últimos anos, com a decisão dos Estados Unidos de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e transferir sua embaixada para lá, uma medida que foi fortemente condenada pelos palestinos. Isso desencadeou uma onda de protestos e violência em Gaza, resultando em confrontos frequentes entre manifestantes palestinos e as forças de segurança israelenses ao longo da fronteira.

Além disso, o bloqueio de Gaza imposto por Israel desde 2007 exacerbou a crise humanitária na região, com sérias restrições à entrada de alimentos, medicamentos e materiais de construção, além de limitações à liberdade de movimento dos habitantes de Gaza.

A comunidade internacional tem buscado repetidamente uma solução para o conflito, através de negociações de paz e acordos de cessar-fogo, mas até agora nenhum progresso significativo foi alcançado.

Em meio a esses esforços, qualquer escalada militar, como a possível evacuação de Rafah mencionada, é vista com grande preocupação, pois pode resultar em mais mortes e sofrimento para a população civil, já extremamente vulnerável em Gaza.

1 comentário em “Hamas adverte sobre possíveis ataques em Rafah”

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Rolar para cima